domingo, 28 de setembro de 2008

A gente somos inútel?


É verdade. A Europa é primeiro mundo. Nós somos terceiro mundo. É verdade. HÁ UMA DIFERENÇA BRUTAL ENTRE PRIMEIRO E TERCEIRO MUNDO.
Existe um “mal-funcionamento generalizado” por aqui. Isso nada tem a ver com diferença genética nem geográfica nem mesmo com o pensamento nocivamente espirituoso de que “a zoropa é chisque... eles pode”.
O problema é mais educacional e cultural que propriamente político. A política é uma extensão. Cultura não é só entretenimento. Sem cultura (englobe tudo o que essa palavra significa), a nação atrofia, o povo perde sua força.
Não sou ingênuo e sei que essa base comparativa entre primeiro e terceiro mundo é discutível, já que eles próprios têm interesse que continuemos em nossa posição desprivilegiada. Mas isso não vem ao caso. É preciso acabar com a mentalidade de vítima. Acabar com o choramingo de que “ele que me bateu...” e começar a andar pra frente.
É inacreditável que um país tão grande quanto a Europa inteira seja tão enfraquecido. As necessidades são inúmeras. Ou melhor, os PASSOS são inúmeros. A palavra “necessidade” só contribui para essa mentalidade de vítima. A palavra “necessidade” implica tacitamente numa posição passiva... em mãos estendidas e expressões subservientes.
1) CULTURA. De verdade. Nada de projetinhos alternativos e ONGzinhas que todo mundo sabe que só servem para sonegar impostos. A cultura precisa ser algo normal, parte de nossas vidas. Cultura de verdade. De uma forma generalizada e arraigada.
2) EDUCAÇÃO. Não gosto de separar educação e cultura em dois tópicos distintos. É tudo uma coisa só. Educação e cultura caminham juntas. Quando se tem uma, necessariamente se tem a outra.
3) Educação + Cultura = indivíduos conscientes. Sabe aquela história de que quando se tem o gostinho do caviar fica difícil voltar pro fubá? É isso mesmo. Quando tivermos educação e cultura não aceitaremos passivamente qualquer merda. Saberemos o que tem valor e saberemos do NOSSO valor. Não ficaremos mais de quatro para que cheguem por trás e CRÉU na gente. Digo novamente, vai muito além do entretenimento. Um povo que sabe que está sendo passado pra trás na música e na televisão, SABERÁ QUE ESTÁ SENDO PASSADO PRA TRÁS NA POLÍTICA OU NO QUE QUER QUE SEJA.
4) POLÍTICA... “Mamadores de teta” fingindo que governam o país e que na verdade só investem em suas casas de praia? OS POLÍTICOS fazem as leis definindo quanto vão ganhar e quando vão trabalhar e eles próprios são os responsáveis pela aprovação das leis que criaram. Que piada. Devia ter um preparo maior para se entrar no jogo da política. Ou melhor, devia ter ALGUM preparo. Muito se fala que o povo precisa saber votar, mas isso não adianta muito quando se tem que escolher entre o estúpido, o idiota e o imbecil. Esses termos pejorativos só se aplicam quando o assunto é a sociedade; tratando-se dos interesses dos próprios políticos, eles são bem espertinhos. No entanto, sem educação e cultura é impossível haver indivíduos preparados.

Mas chega desse papo. Você já entendeu... Eu acho.

3 comentários:

MARTHA THORMAN VON MADERS disse...

Perfeito! deu para entender o recado Marcia.
beijos

Marcos Satoru Kawanami disse...

Daniel, a dona Marcia me indicou o teu blog. A classe dominante no Brasil é a dos Políticos. É o que acrescento; de resto, concordo plenamente contigo.
Marcos Satoru Kawanami
Nhandeara SP
e-mail: mskawanami@bol.com.br

jorge vicente disse...

aqui em portugal, o jorge de sena nos falou dos políticos portugueses: um país de burros e sacanas. e continua um pouco assim:

um excelente blog o teu

um abraço
jorge vicente